Apóstolo consagra pedidos de oração no Vale de Josafá


Este sábado (18) foi um dos dias mais esperados para os participantes da Caravana Apostólica.


Eles se reuniram no Vale de Josafá para a celebração de um culto e para a consagração dos pedidos de oração que foram trazidos do Brasil.


A Renascer também edificou um altar no qual os nomes das famílias dos membros da Igreja foram colocados e ali permanecerão até a volta de Cristo.


Acompanhe, a seguir, o vídeo do culto na íntegra






Sobre o Vale de Josafá


É também conhecido como Vale do Cédron, Vale do Juízo Final ou Vale do Rei. Devido aos eventos ocorridos durante o per odo do Rei Josafá, este vale carregado de tantas histórias e profecias também recebeu seu nome.


O Vale de Josafá está localizado entre três locais muito importantes de Jerusalém: o Monte das Oliveiras, a Cidade Velha de Jerusalém e o Monte do Templo.

É um vale extenso que segue por 32 km até desembocar no Mar Morto, o ponto mais baixo do mundo. Ele chega a descer 1200 km de altura.


Vale de Josafá, em hebraico, é “Emek Yehoshafat”, que significa: “O Vale Onde Deus Julgar .”.

Essa profecia foi revelada pelo profeta Joel:


Joel 3.1 a 8: — Eis que, naqueles dias e naquele tempo, em que mudarei a sorte de Judá e de Jerusalém, congregarei todas as nações e as farei descer ao vale de Josafá. E ali entrarei em juízo contra elas por causa do meu povo e da minha herança, Israel, a quem elas espalharam entre os povos, repartindo a minha terra entre si. Peguem a foice e comecem a colher, porque a plantação está madura. Venham, pisem as uvas, porque o lagar está cheio, os seus compartimentos transbordam. Porque é grande a maldade dessas nações!" "Multidões, multidões no vale da Decisão! Porque o Dia do Senhor está perto, no vale da Decisão. O sol e a lua se escurecem, e as estrelas deixam de brilhar. O Senhor rugirá de Sião e de Jerusalém fará ouvir a sua voz. Os céus e a terra tremerão, mas o Senhor será o refúgio do seu povo e a fortaleza dos filhos de Israel." "Assim vocês saberão que eu sou o Senhor , o Deus de vocês, que habito em Sião, o meu santo monte. Jerusalém será santa; estranhos não passarão mais por ela. E acontecerá que, naquele dia, os montes destilarão vinho, e as colinas manarão leite, e todos os rios de Judá estarão cheios de água. Uma fonte sairá da Casa do Senhor e regará o vale de Sitim.


Esta profecia vem ao encontro a muitos anúncios do juízo de Deus que vem sobre a terra no fim dos tempos. A partir deste juízo, haverá uma transformação na história da humanidade. Isto está expresso em Apocalipse: O reino de Deus virá em uma Nova Jerusalém.


Independente das leituras teológicas ou escatológicas deste capítulo, precisamos compreender como esta palavra é aplicável em nossos dias, que aguardamos a volta do nosso Senhor.


De Judá, de Israel, veio o salvador, através da palavra veio o juízo e, através de seu sacrifício, veio a salvação. Não apenas a judeus, mas a todas as nações.


Hoje, no Vale de Josafá, você encontra o cemitério mais antigo do mundo – existente há mais de 3 mil anos e que continua em funcionamento –, construído na época do Primeiro Templo de Jerusalém. Atualmente, ele possui mais de 150 mil tumbas.

Mas por que decidiram transformar este lindo vale em um cemitério?


O motivo pelo qual as pessoas queriam e ainda querem ser enterradas neste local é a profecia de Zacarias:


Zacarias 14.1 a 4:“Eis que vem o Dia do Senhor , em que o seu despojo será repartido dentro de você, ó Jerusalém. Porque eu ajuntarei todas as nações para a batalha contra Jerusalém. A cidade será tomada, as casas serão saqueadas e as mulheres, violentadas. Metade da cidade será levada para o cativeiro, mas o restante do povo não será expulso da cidade. Então o Senhor sairá e lutará contra essas nações, como ele costumava lutar no dia da batalha. Naquele dia, os seus pés estarão sobre o monte das Oliveiras, que está em frente de Jerusalém, para o leste. O monte das Oliveiras será fendido pelo meio, do leste ao oeste, formando um grande vale. Metade do monte se afastará para o norte, e a outra metade, para o sul.


Por esse motivo, é um dos cemitérios mais caros do mundo.


O Vale de Josafá também é o possível local do retorno de Jesus.


Segundo a tradição, no Vale de Josafá, estão as sepulturas de Zacarias, Malaquias e Ageu.

Arqueólogos encontram escrituras em uma das tumbas que fazem referência a Benei Hezir, uma das 24 famílias de sacerdotes do Templo de Jerusalém, ou seja, eram descendentes de Arão, irmão de Moisés, e integraram a tribo de Levi.


1 Crônicas 24.15: a décima sétima, para Hezir; a décima oitava, para Hapises...


Neemias 10.20: 20 Magpias, Mesulão, Hezir...


No Vale de Josafá, encontramos ouros artefatos mencionados na Bíblia. Um deles é o pilar construído por Absalão, que ficou sem descendência devido à sua rebelião. Ao lado deste monumento, encontra-se um sepulcro, onde ele provavelmente foi sepultado.


2 Samuel 18.18: Ora, quando ainda vivia, Absalão tinha levantado para si uma coluna, que está no vale do Rei, porque dizia: "Não tenho nenhum filho para conservar a memória do meu nome." E deu o seu próprio nome à coluna, que até hoje se chama o Monumento de Absalão.


Davi também passou pelo Vale de Josafá, quando Absalão, seu próprio filho, usurpou seu reinado e queria matá-lo:


2 Samuel 15.23 e 30: “Toda a terra chorava em alta voz. E todo o povo e também o rei passaram o ribeiro de Cedrom, seguindo o caminho do deserto. Davi seguiu pela encosta do monte das Oliveiras, subindo e chorando; tinha a cabeça coberta e caminhava descalço. Todo o povo que ia com ele, de cabeça coberta, subiu chorando.”


Mil anos depois, Jesus escolhe um local do Vale de Josafá para chorar por Jerusalém e prevê a destruição que aconteceria no ano 70.


Lucas 19.41 a 44: Quando Jesus ia chegando a Jerusalém, vendo a cidade, chorou por ela, dizendo: — Ah! Se você soubesse, ainda hoje, o que é preciso para conseguir a paz! Mas isto está agora oculto aos seus olhos. Pois virão dias em que os seus inimigos cercarão você de trincheiras e apertarão o cerco por todos os lados; e vão arrasar você e matar todos os seus moradores. Não deixarão pedra sobre pedra, porque você não reconheceu o tempo em que Deus veio visitá-la.


Essa não foi a única passagem de Jesus pelo Vale de Josafá. Ele também cumpriu as profecias do Antigo Testamento.


Quando Ele fez Sua entrada triunfal no domingo anterior àPáscoa, Ele desceu o Monte das Oliveiras, cruzou o Vale de Cedrón e entrou em Jerusalém pelo Portão Dourado.


Jesus passou mais uma vez pelo Vale de Cedrón, depois da última Ceia:


João 18.1: “Depois de dizer isso, Jesus saiu juntamente com os seus discípulos para o outro lado do ribeiro de Cedrom, onde havia um jardim; e aí entrou com eles.”


Dentro do vale, também encontramos o Getsâmani, onde Jesus passou seus últimos momentos antes da crucificação.

É impressionante pensar que o vale do juízo da nações é o local onde Jesus foi levado ao Seu julgamento.



Redação