Momento Deep: Uma vez filho, sempre filho

Atualizado: 20 de Fev de 2020


Acompanhe, abaixo, os principais trechos da palavra ministrada no sábado (18), durante o Deep, o culto geral do O2.


Como Deus deseja que vivamos? Com a certeza de que somos amados incondicionalmente por Ele. E nós também precisamos transmitir este amor que recebemos para as outras pessoas, mas sem distinção.


Como você pode afirmar que ama o próximo? Ajudando um morador de rua? Doando uma roupa em excelente estado e um prato de comida? Mas se somos tão generosos assim, por que vivemos em pé de guerra com nossos pais?


Precisamos buscar aperfeiçoar o nosso amor através do amor de Deus.


João 3.14 a 16: “E do modo por que Moisés levantou a serpente no deserto, assim importa que o Filho do Homem seja levantado, para que todo o que nele crê tenha a vida eterna. Porque Deus amou ao mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo o que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.”


Na Antiga Aliança, o Senhor precisava que o homem intercedesse pelo povo. Eles precisavam ter consciência de que precisavam de um salvador. Por isso, Ele enviou Jesus Cristo!


Deus sempre amou o povo, mas, na Antiga Aliança, Ele deu uma prévia do que viveríamos na Nova Aliança. Antes, a salvação era temporária. Agora, é eterna!

Deus é amor. Então, pregar sobre amor é pregar sobre o próprio Deus! E a dimensão deste amor foi exemplificada por Jesus Cristo, por meio das parábolas do Filho Pródigo e da Ovelha Perdida.


Da primeira citada, podemos tirar muitos ensinamentos preciosos. Hoje, vamos destacar um deles:

1- O jeito de Deus amar é diferente do nosso


O amor d’Ele é incondicional, ou seja, acolhe tanto o salvo como o pecador.

Deus nos ama tanto, que nos deu liberdade para escolhermos qual caminho iremos seguir. Ele nos dá a opção de amá-lo ou não. Mas Ele também nos dá liberdade para sermos curados pelo amor d’Ele.


O Filho Pródigo fez a opção de deixar o pai e gastar toda a herança. Quando caiu em si, decidiu voltar, mas teve medo de ser punido, desprezado e reduzido à condição de servo.


A loucura do evangelho é que o Pai, ao ver o filho de longe, em vez de ficar indignado por causa dos erros cometidos, alegra-se só por poder recebê-lo de volta!


O amor de Deus está acima dos nossos medos, das nossas inseguranças, das nossas deduções e das nossas péssimas escolhas, porque uma vez filho, sempre filho!


Cristo nos amou tanto, que Se entregou para nos salvar!


2- O que somos é definido pela certeza de quem Ele é


O irmão do Filho Pródigo não concordou com a reação do pai, que, em vez de puni-lo, o recebeu com uma grande festa.


A forma como nós enxergamos o Senhor define como nos enxergamos.


Precisamos deixar de associar a Deus aquela imagem de Pai opressor! Deus não quer nos relacionamos com Ele motivados por um medo irmos para o inferno, mas porque O amamos.


A forma como eu enxergo Deus também reflete como eu enxergo os outros.

3- Deus manifesta o amor d’Ele nos abençoando


Deus nos ama como Pai, e esta forma de amar envolve doação, entrega. Por isso, não se sinta mais indigno de recebê-lo.


Antes de nos criar, Ele já havia criado o universo. Ele criou tudo pensando em como nós viveríamos. Deus não quer desenvolver um relacionamento de troca, Ele não precisa de nada que possamos oferecer porque tudo já é d’Ele.


Não há nada que possamos entregar a Deus que supere o que Ele já tenha feito por nós!


Cristo foi a manifestação do amor de Deus aqui na terra! Precisamos desejar amar como Ele amou, ama e amaria!


Quando Jesus fala para deixarmos mãe e pai por amor a Ele, não significa que devemos abandonar nossa família. Na cruz, Maria ainda estava ao lado de Jesus. Ele não a deixou desamparada, porque João estava cuidando dela.


Se afirmamos que não vivemos, mas Cristo vive em nós, precisamos ser a manifestação do amor d’Ele aqui na terra! Se somos filhos de Deus, devemos nos amar como verdadeiros irmãos!



Redação

40 visualizações

Posts recentes

Ver tudo

"As situações não podem mais definir o seu futuro!"

Em 10 de julho, aconteceu o Encontro Mensal de Mulheres Mais que Vencedoras (+QV), o ministério feminino da Igreja Renascer em Cristo. O tema foi “Autorresponsabilidade” Com transmissão ao vivo do Ren

Poder do amor é tema da ministração da Ceia de julho

Em 1ª Coríntios 13.1-13, o apóstolo Paulo nos fala de uma arma espiritual poderosa que muitas vezes não é usada pela igreja: o poder do amor. Este foi o tema da ministração do apóstolo Estevam Hernand

Apóstolo Estevam ministra a oferta da semeadura

Durante a Ceia de Oficiais de julho, o apóstolo Estevam Hernandes ministrou a oferta da semeadura, baseada no texto que está em 2º Coríntios 9.5-14. “O apóstolo Paulo nos fala sobre a necessidade de d