Apóstolo mostra detalhes do Muro das Lamentações

1 Crônicas 15.1 e 2: Davi fez também casas para si mesmo, na Cidade de Davi, e preparou um lugar para a arca de Deus e lhe armou uma tenda. Então ele disse: — Ninguém pode levar a arca de Deus, a não ser os levitas, porque o Senhor os escolheu para levarem a arca do Senhor e o servirem para sempre.


Neste domingo (19), os participantes da Caravana Apostólica conheceram a Cidade de Davi, um dos principais sítios arqueológicos de Jerusalém.


Consiste de um promontório estreito que avança rumo ao sul, a partir do Monte do Templo. Foi uma cidade cercada por muralhas durante a Era do Bronze e, de acordo com a tradição bíblica, teria sido ali que o rei Davi construiu seu palácio e estabeleceu sua capital.


A Cidade de Davi tinha como defesas naturais o vale de Tiropeão, a oeste, o vale de Geena ao sul, e o vale do Cédron a leste.


Em tempos antigos, a Cidade de Davi era separada do Monte do Templo pelo Ofel, uma área desabitada que se tornou a sede do governo sob o domínio israelita.


Durante o reinado de Ezequias, as muralhas da cidade foram expandidas para oeste, incluindo um subúrbio até então sem muros, conhecido atualmente como Cidade Antiga de Jerusalém, a oeste do Monte do Templo.


A Cidade Davi abriga tumbas escavadas na rocha. Acredita-se que o rei Davi esteja sepultado em uma delas. Este túmulo, atualmente, está localizado em uma sinagoga da cidade antiga.

Próximo aos muros da cidade, os participantes da Caravana receberam uma mensagem de fé do Apóstolo Estevam Hernandes.


Depois do culto, eles tiveram um momento de reflexão e de oração no Muro das Lamentações.

O líder da Renascer gravou um vídeo mostrando detalhes do local. Acompanhe abaixo:

O Muro das Lamentações é um dos locais mais sagrados para os judeus. É o último vestígio do segundo templo judaico que foi edificado após a destruição do anterior – construído pelo rei Salomão.

Ele foi reformado por Herodes, o Grande, no ano de 20 a.C.. O objetivo era conquistar a simpatia de César. Em 70 d.C., o local foi demolido por Tito, em uma demonstração de força do império Romano para conter a Grande Revolta Judaica.

Fiéis do mundo todo vão ao Muro das Lamentações para orar e deixar seus pedidos. Mas, afinal, o que acontece com eles após isso?

Quando as fendas do muro ficam muito cheias, é preciso esvaziá-las para que mais pedidos possam chegar. Duas vezes por ano, eles são retirados. Para esse procedimento, responsáveis usam apenas as mãos ou varas de madeira porque, segundo eles, nenhuma ferramenta de ferro é permitida no Templo.

De acordo com a prática religiosa judaica, é proibido destruir qualquer documento em que o nome de Deus esteja escrito. Isso significa que esses pequenos papéis com os pedidos de oração são tratados com o mesmo respeito que os pergaminhos e livros de oração da Torá gastos ou danificados.

Por isso, eles são embrulhados em sacolas e enterrados no Monte das Oliveiras. Vale destacar que os funcionários estão proibidos de ler qualquer um deles.


Redação